Região tem a melhor polícia do estado

07/08/2018

O trabalho que é realizado pela Polícia Civil e Brigada Militar na Região Celeiro é de longe um dos mais eficientes do estado do Rio Grande do Sul. Somente a falta de pessoal, recorrente nas duas corporações já seriam suficientes para atravancar a eficácia da aplicação prática do trabalho de policiamento ostensivo e de investigação, no entanto, os números conseguidos pelos valorosos policiais da região provam absolutamente o contrário. 

Somente a grande operação desencadeada na última quinta-feira já é motivo o suficiente para comprovar a afirmação que dá título a esse texto. Com pouquíssimos policiais, basta olhar para a Delegacia da polícia Civil em Tenente Portela, onde apenas três policiais tem que dá conta de uma grande território e numa região onde ocorrem diariamente diversas ocorrências, com estrutura dificultosa e muitas vezes com salários atrasados, sem capacidade técnica operacional e com dificuldades que são inimagináveis ao público, os policiais da região conseguiram desenvolver depois de um ano de investigação realizar uma operação que entra para história como a maior do gênero no estado do Rio Grande do Sul.
A queda de braço entre a bandidagem e a polícia é sempre injusta. 

Se você analisar que somente no decorrer das investigações e durante a operação ocorrida nesta terça-feira foram presas mais de 100 pessoas e possivelmente alguns ainda ficaram de fora das garras da justiça, dá dimensão, de quantas pessoas estão agindo a serviço da marginalidade.
Uma frase do delegado Vilmar Alaídes Schaefer pode dar uma boa resposta de o quanto a nossa comunidade está absorvida por uma falsa sensação de segurança da cidade pequena. Diz ele: "A comunidade não tinha dimensão da periculosidade desta facção criminosa." E de fato, aos olhos da sociedade a marginalidade criminosa que estava encravado em diversos municípios da região e era engrossadas por pessoas naturais daqui e que com a chegada dessa facção passaram a fazer parte de uma estrutura extremamente violenta e organizada, simplesmente parecia não existir.
As facções estão se expandindo e buscando ocupar espaços que são deixados pelo estado até conseguir comprometer toda a engrenagem. E eles têm conseguido. Basta você acompanhar os noticiários que chegam do Rio de Janeiro, que nem com a intervenção militar conseguiu dar fim aos criminosos, de São Paulo que convive diariamente com a possibilidade de ataques criminosos, ou então de Porto Alegre onde crimes horrendos estão cada vez mais comum, com pessoas cavando a própria cova antes de serem mortos, outros sendo executados em grupos e sendo esquartejados e deixados a luz dos olhos de uma sociedade que se sente indefesa.
Não se engane, os mesmos criminosos que dão as ordens lá, davam aqui. Os mesmos moldes da violência que são adotados lá poderiam vir a ser adotados por aqui. Só não serão, porque aqui tem polícia eficiente e isso pelo menos durante os próximos dias, nos deixa um pouco mais aliviados.