Rádio sem conteúdo vai ficar para trás

29/05/2019

O Rádio está diante de mais um momento de transformação. Ao longo da história foram muitos esses períodos em que o rádio precisou se reinventar para seguir relevante, mas talvez, nunca tenha tido a necessidade de uma mudança de característica tão profunda como agora.


O principal produto do rádio brasileiro ao longo dos anos é a música. Mesmo quando a televisão roubou do rádio o entretenimento e passou a dividir com esse o jornalismo, esse ainda tinha para si o conteúdo musical, simples e puramente pela proximidade com o ouvinte, que podia ligar pedindo as suas músicas preferidas, algo impossível na televisão.


No tempo atual a música não é mais exclusividade do rádio. A facilidade de acessar a internet e o preço dos executadores online, estão deixando esse produto cada vez mais ao alcance das pessoas e vai colocar, ao longo dos próximos anos, a música em outro panorama. 


As novas gerações ouvem cada vez menos rádio. É uma migração natural. Apesar da grande relevância que ainda existe do veículo como instrumento de informação, é cada dia mais difícil convencer os mais jovens ouvir rádio.


O rádio precisará investir em mais conteúdo se quiser seguir sendo relevante ao longo dos próximos anos. É necessário repensar o produto que é oferecido para o público. Muitas emissoras, de grandes centros, estão entendendo esse processo e estão mudando suas programações para atender essa demanda. Guardada as devidas proporções, esse processo precisa migrar para o interior. 

Essa mudança é fundamental para que o Rádio continue ocupando o seu espaço no mercado. Hoje 85% dos brasileiros ouvem rádio por pelo menos 2 horas por dia. É preciso se reinventar para não correr o risco de ver esses números minguarem ao longo dos próximos 10 ou 20 anos.